Quem era Popó Vaz, ativista pelos direitos das pessoas trans que faleceu nesta segunda

Membros da comunidade LGBTQIA+, políticos e artistas lamentaram nesta segunda-feira (14) a morte do policial civil e ativista trans Paulo Vaz, conhecido como Popó Vaz, aos 36 anos. A morte foi confirmada pela Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra):

Paulo era querido e amado por todas a sua volta. Ativista engajado e dedicado a luta trans, sempre fez questão de construir pontes, atuar no enfrentamento da transfobia e em defesa das pessoas transmasculinas.

Homem trans gay, policial civil, sempre abordava questões sobre sexualidade e gênero de forma leve e descontraída. Era uma alma doce e um coração lindo demais.

Foi protagonista de uma de nossas campanhas pelo dia da visibilidade trans. Além de fazer diversas publicidades e participações em mídias e televisão sobre a visibilidade transmasculina.

Paulo não estará mais entre nós ou em nossos Story falando com aquele sotaque mineiro tão marcante. Infelizmente perdemos mais um de nós que não suportou continuar em uma sociedade tão violenta e desumana.

A ANTRA se solidariza a familia e amigos do Paulo, em especial ao querido Pedro HMC com o qual era casado. Recebam nosso mais sincero abraço e nossos sentimentos.

Não é hora de especular sobre a morte do Paulo. Respeitem a dor de quem perdeu um amigo, marido, filho e irmão.

É hora de silenciar e refletir. Precisamos pensar em formas de construir um mundo onde as pessoas queiram viver.

🦋 Rest in Power Paulo 🦋

Obrigada por tudo! Seguiremos em luto, na luta.

💛 Cuidar da saúde mental é um compromisso diário que devemos manter, especialmente as pessoas trans.”

Paulo ficou conhecido por ser um dos poucos homens transexuais que trabalhavam na polícia. Ele também usava as redes sociais como plataforma de defesa dos direitos da comunidade LGBTQIA+, principalmente das pessoas trans.

Ele era casado com o youtuber PedroHMC, do canal “Põe na Roda”. Popó se identificava como um homem gay, e chegou a sofrer ataques transfóbicos pelas redes sociais quando anunciou seu relacionamento com Pedro.

Em entrevista ao g1 em 2018, Popó falou sobre a importância de apoiar e inspirar mais homens trans a entrarem na carreira policial. “Eu achava que encontraria muitas barreiras, mas fiquei bastante feliz e surpreso com a recepção dos meus colegas desde o começo. Eu já sabia que há diferença entre as instituições de Polícia Militar e Polícia Civil, mas eu fiquei bastante surpreso”, disse na ocasião.

“A sociedade ainda tem muita homofobia e machismo enraizado e para isso a gente tem de botar a cara e aparecer mesmo, falar sobre o assunto para as pessoas perceberem que esse preconceito não precisa existir. Todo mundo aqui dentro da Segurança Pública pode inspirar outras pessoas. Quero mostrar que, se eu estou ali na polícia, qualquer um pode.”

 

com informações do g1

 

Leia mais:

Mortes de trans caem no Brasil, mas o país ainda mantém a maior taxa de assassinatos do mundo

Leave a Reply

%d blogueiros gostam disto: